Minhas últimas palavras

R$43,90

Apenas 2 em estoque

Consulte o prazo estimado e valor da entrega

Não sei meu CEP
O pastor da América vai para casa.
Billy Graham foi talvez a mais importante figura religiosa do século XX, e o movimento e as organizações que ele ajudou a criar continuam desempenhando um papel relevante no século XXI. Durante toda a vida, Graham pregou para mais de 200 milhões de pessoas pessoalmente, e a outros tantos milhões através da televisão, via satélite e em filmes. Quase 3 milhões de pessoas atenderam ao apelo de “aceitar Jesus em seu coração”, que ele fazia ao final de seus sermões. Em toda a História, nenhum outro pregador proclamou o evangelho a mais pessoas que ele. Por tudo isso, ele se tornou o “pastor da América”, participando de cerimônias de posse de presidentes e discursando em momentos de crise nacional.
Em muitos aspectos, Billy Graham formou e personificou o movimento evangélico. O teólogo J. I. Packer atribui a “convergência” evangélica a Graham: “Até 1940, era cada um por si. Não havia nenhum sinal de unidade. Existiam alguns focos de resistência tentando firmar-se diante da avalanche liberal. Da década de 1950 em diante, contudo, os evangélicos se uniram cada vez mais em torno de Billy Graham e de tudo o que ele representava e defendia. Começou naquela época e continua assim até hoje”..
Para muitos, William Franklin Graham, ou Billy, como preferia ser chamado, será lembrado por sua humildade diante o Todo Poderoso que incentivou milhões de pessoas a se aproximarem de Deus com o mesmo espirito. Que este livro, que expressa de tantas formas as últimas palavras que ele nos deixou, possa encorajar você a fazer o mesmo.
Sobre o Autor:
Billy Graham (1918-2018)
William Franklin “Billy” Graham Jr foi um evangelista evangélico e pastor batista norte-americano. Foi conselheiro espiritual de vários presidentes dos Estados Unidos e proeminente membro da Convenção Batista do Sul.
Peso 0.320 kg
Dimensões 23 × 16 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Minhas últimas palavras”